Category

BACK2LIFE

BACK2LIFE – Cuidados para o desconfinamento Global

By | BACK2LIFE

Cuidados para o desconfinamento Global
A NATUREZA DESCONFINA TODOS OS ANOS POR ESTA ALTURA, CHAMAMOS-LHE PRIMAVERA.

 

Prestando atenção à natureza veremos como vivemos num manancial de riquezas, cheio de sentido e significado. Observar e sentir a natureza é voltar ao seio de nossa existência, é nos reintegrarmos, pois somos parte dela também. Este é o propósito deste texto, um convite de reflexão sobre a relação em espelho do momento presente com a Primavera e de nós com a Natureza.

A primavera é uma estação do ano mas é também o despertar, o desconfiar de meses de “hibernação” conhecido por nós actualmente como confinamento.

O levantamento do confinamento e os raios de sol cada vez mais presentes despertam as cores lá fora e pequenos gestos trazem aos nossos dias profundas transformações. Dá vontade de sair, abrir os braços, respirar fundo, rir, encher a casa de flores e aos poucos vamos sendo contagiados pela chegada da Primavera, que inspira poetas e artistas de todas as épocas. Assim como a Natureza, também nós sentimos a vontade de renascer, este ano com redobrado entusiasmo, de voltar à alegria que sentimos na infância e à excitação que caracteriza a nossa juventude.

Mais do que em qualquer outro tempo, mais do que em qualquer outra Primavera, a alegria toma conta não só dos corações humanos, mas também de tudo que nos envolve. Vemos claramente o florescer da Vida nas ruas circulando com mais intensidade por todo o lado, a todos os níveis.

Esta estação, este momento, caracterizado pela excitação e entusiasmo rasgado pelos raios de sol e expandido pela liberdade de sair é uma proposta irrecusável mas que deve ser aceite com calma e ponderação. Bastam uns quantos anos de vida e observação do que nos rodeia para percebermos que esta chegada da Primavera para ser vivida em pleno deve ser vivida de forma progressiva. Aliás, a Primavera é isso mesmo, um caminho progressivo que te traz do Inverno/confinamento, recolhimento, hibernação para o Verão/desconfinamento, liberdade. Repara na Natureza que tão sábia te mostra que são poucas as horas que convidam, uma vez que as manhãs continuam frias e as tardes frescas. A Natureza desperta mas de forma progressiva, num saborear de liberdade que alimenta. Se seguirmos o exemplo da natureza aquando da chegada da Primavera também a nossa Primavera/desconfinamento se fará de forma tranquila, saudável e nutritiva o que pode ser um desafio para os mais ávidos e pássaros de Primavera.

Mas nem todos temos de nos refrear em viver a Primavera. Existem muitas pessoas que sofrem com a Primavera. Têm-lhe alergia.

As alergias são claramente questões do corpo físico bastante incómodas mas na verdade a sua origem está na questão emocional que esconde este medo em florescer, em Ser, em nos validarmos como somos, em nos expormos. As pessoas alérgicas à Primavera são também pessoas alérgicas ao desconfinamento. Se és uma dessas pessoas seguramente que sentes alguma excitação, ela é inevitável, mas logo vem o medo, a  ansiedade e o desconforto. Calma.

Estamos todos bem e vamos ficar melhor se aceitares continuar a ler este artigo e aplicares algumas das sugestões. Não garantimos a solução de todas as tuas questões porque como sabes o que serve para uns não serve para outros. Esse é o desafio da Primavera e do desconfinamento. Casos específicos carecem de metodologia específica e para isso sugerimos que peças mais informações sobre o programa Back to Life. Lembra-te que se és parte do grupo dos alérgicos à Primavera e queres fazer algo em relação a isso tens de te comprometer com o próprio processo, e assumir um compromisso pessoal para com a Vida deixando de usar a desculpa do “sempre foi assim, sou alérgico”.

É importante compreender que a Primavera é o processo anual de ensino que absolutamente tudo na vida passa. Todos os momentos hibernais por que passamos, em que tudo aparenta existir sem vida, seja por situações de perdas, decepções ou pelo simples refrear da vida, momentos de pausa que chegam e se instalam. Tudo passa e no seguimento sempre um novo ciclo que se inaugura como Alberto Caeiro escreve tão bem:

“Quando tornar a vir a Primavera
Talvez já não me encontre no mundo.
Gostava agora de poder julgar que a Primavera é gente
Para poder supor que ela choraria,
Vendo que perdera o seu único amigo.
Mas a Primavera nem sequer é uma cousa:
É uma maneira de dizer.
Nem mesmo as flores tornam, ou as folhas verdes.
Há novas flores, novas folhas verdes.
Há outros dias suaves.
Nada torna, nada se repete, porque tudo é real.

– Alberto Caeiro –

O novo ciclo que agora se apresenta não é o regresso a algo mas sim a chegada a algo novo. No tempo actual e proposta de desconfinamento, a primavera é o convite que esperávamos para abrir  as janelas da casa, e da alma, para deixar entrar o aroma de novas possibilidades e deixar ir o aroma embolorado do medo. Mas para vivermos com saúde esta temporada há que refrear a intensidade e exercitar a entrega consciente. A primavera convida e a consciência abraça. Não temas as abelhas, as alergias, os pólens sai de coração aberto e cauteloso, tens muito tempo para desabrochar e florescer, vê a papoila, observa a borboleta. Não forces a saída do casulo, vai com calma e em breve terás chegado a todo o potencial da liberdade de Ser.

  • Reforça o teu sistema imunitário.
  • Integra novas rotinas de purificação da “tubagem” que leva o prana (energia vital) e o alimento até às tuas células.
  • Nutre o teu corpo com o alimento mais fresco, mais colorido, mais verdadeiro.
  • Faz exercício.
  • Liberta-te da prisão das redes sociais e das horas fechadas entre paredes.
  • Sê feliz.
  • Inscreve-te no Programa de Dinacharya e aprende mais sobre estas rotinas que farão de ti o melhor jardineiro de sempre desse jardim que és mas que permaneceu anos abandonado.
  • Marca a tua consulta e permite-te viver no teu máximo potencial, livre de anti-histamínicos, bombas da asma, lenços de papel, nariz a pingar e comichão nos olhos.

Tu tens o poder de agir e mudar o que quiseres.

Queres mesmo continuar a viver assim?

Lara Lima
Fundadora do método BMQ
Formadora da AMAYUR
Formadora reconhecida pela YOGA ALLIANCE
Terapeuta Ayurveda Sénior
Professora Sénior de Yoga.

BACK2LIFE | Para viver a vida temos de aprender a deixar de usar como desculpa.

By | BACK2LIFE

Amar é um verbo, amar-te uma prioridade.
PARA VIVER A VIDA TEMOS DE APRENDER A DEIXAR DE A USAR COMO DESCULPA.

Creio que uma das grandes questões da vida do Ser humano é perceber que a sua existência social apesar de fundamental para o equilíbrio global está longe de determinar esse mesmo equilíbrio e por isso, seja qual for o papel que desempenhamos a cada momento, a questão que resume tudo penso ser: “será que acertei”.

Basta uns quantos anos de vida e alguma maturidade para perceber que erramos. Erramos muito, simplesmente porque o erro está assente num desvio padrão em relação à média. Erramos tanto que quando acertamos olhamos em volta à procura de um megafone que exalte o sucesso e a frustração aparece num pulo quando não somos percebidos.

Este é o sucesso do programa Back to Life. Quando nos comprometemos com o próprio despertar, e assumimos um compromisso pessoal para com a Vida passamos a viver a vida e não a usá-la como desculpa para os nossos pensamentos, atitudes e reacções.

Como encorajadora deste processo percebo quanta força, disciplina, resiliência e determinação são necessárias para manter um caminho dorido no processo de mudar a própria estrutura da personalidade. Este caminho não se percorre apenas estudando conceitos filosóficos em livros e palestras. Este caminho vive-se, e na maior parte das vezes de forma bem prática e dorida. Por isso, quando recebo um texto como este que partilho em seguida sobre o processo, sinto uma profunda gratidão e reconhecimento pela Vida e por poder assistir a estas metamorfoses.

“Viver uma verdadeira experiência amorosa é um dos maiores prazeres da vida. Gostar é sentir com a alma, mas expressar os sentimentos depende das ideias de cada um. Condicionamos o amor às nossas necessidades neuróticas e acabamos com ele. Vivemos uma vida a tentar fazer com que os outros se responsabilizem pelas nossas necessidades enquanto nós nos abandonamos irresponsavelmente.

Queremos ser amados e não nos amamos, queremos ser compreendidos e não nos compreendemos, queremos o apoio dos outros e damos o nosso a estes. Quando nos abandonamos, queremos achar alguém que venha preencher o buraco que nós cavámos. A insatisfação e o vazio interior transformam-se na busca contínua de novos relacionamentos, cujos resultados frustrantes se repetirão.

Cada um é o único responsável pelas suas próprias necessidades. Só quem se ama pode encontrar na sua vida um amor de verdade.”

N.R. 2021

No último artigo desta rubrica, Back to Life, falei do tipo de pessoas que me procura mas não revelei o denominador comum. Esse denominador comum revelo agora – DESAMOR PRÓPRIO. Seja qual for o argumento, o contexto, a situação que te traz a este sofrimento ele tem uma única causa: a sede pelo prazer e inevitável apego por algo perene e exterior, afinal a única coisa que existe para sempre, para ti, é a tua linha cronológica. Só a linha cronológica do corpo físico é eterna e por esse motivo também é eterna a saudade perante quem parte.

De facto, quando buscamos no outro a fonte de prazer afastamo-nos na verdade que existe em cada um de nós. O amor não é o outro, o amor é aquilo que fazemos do outro. Se o outro fosse a fonte do amor então todos os Seres estariam num processo amoroso pela mesma pessoa porém nem Deus que é fonte de amor envolve a humanidade quanto mais aquela pessoa a quem entregas-te a tua felicidade e plenitude. Amar é importante mas amar-te é fundamental. Como amar o outro quando não reconhecemos quem somos?

Só o amor próprio pode fazer-nos compreender as diferenças. Do entendimento pessoal de que somos amados mesmo quando erramos, e a maior parte das vezes erramos por amor, é que surge a compaixão pelos erros dos outros. Pois que possamos fazê-lo para nós mesmos e assim crescer na tranquilidade de viver a vida na plenitude do que somos, do momento e do contexto de forma a podermos “amar o outro assim como a ti mesmo”.

Lara Lima
Fundadora do método BMQ
Formadora da AMAYUR
Formadora reconhecida pela YOGA ALLIANCE
Terapeuta Ayurveda Sénior
Professora Sénior de Yoga.

    BACK2LIFE | Não cabe ao terapeuta motivar ou curar

    By | BACK2LIFE

    Não cabe ao terapeuta motivar ou curar,
    AO TERAPEUTA CABE APENAS MOSTRAR O CAMINHO E ILUMINAR A CHEGADA.

    Vivemos numa sociedade nominal.

    Actualmente tudo tem de ter um nome para existir. Se não tem nome, não existe (excepção feita aos nados mortos que infelizmente em Portugal são obrigados a ter um número de contribuinte mas não permissão para registo notarial, afinal, aqueles Seres “não existiram”?!?). Assim aconteceu também com a força da gravidade (“inventada” por Isaac Newton).

    Da mesma forma acontece com os processos de cura, as terapias, que se não tiverem um nome e descritivo (leia-se por descritivo um “nome de família” que permita o seu reconhecimento no “estatuto social” do mundo das terapias) não são validadas podendo até mesmo ser desmerecidas e escarnicadas quando o seu nome não é reconhecido pelos grandes juizes da verdade que habitam no mais comum humano.

    “É fundamental ter na Vida alguém que nos inspira, que nos chama pelo nome e que nos mostra que somos capazes de tudo o que sonhamos numa melhor versão de nós mesmos.”

     

    Um nome parece trazer a segurança da forma e havendo uma forma “o bolo sai sempre igual” repetem cheios de certeza os incautos na caminhada de auto-conhecimento. Só que não, a questão não é o nome, nem a forma. A questão é o processo. O processo que cada um percorre e que é único. O processo pessoal que não serve um protocolo, que não se encaixa num template, que não se delimita com muros auto-erguidos que nos fazem perder a noção do limite que devíamos impor à liberdade pessoal de nos condicionarmos. Mas a sociedade nominal gosta de formas, de nomes e por isso precisamos de alguém que nos inspire a esquecer, a ultrapassar os muros das nossas próprias prisões. E isso é um processo único, especial, demasiado importante para demitirmos a nossa responsabilidade mas onde felizmente podemos ter convidados especiais para nos acompanharem, nos mostrarem o caminho e iluminarem  chegada. Porque existe de facto, na vida de alguns de nós, um momento em que sentimos uma vontade incontrolável de parar e reavaliar. Não me refiro a momentos comuns como as passagens de ano e aniversários (apesar de reconhecer que estes podem ser momentos catársicos) mas a momentos efectivos em que procuramos o propósito da vida (para além da corrida entre casa, trabalho e pequenos momentos de lazer que nos sabem a pouco).

    Para nós, no BMQ, esse processo de auto-conhecimento tem o nome de BACKTOLIFE. Decidimos dar este nome ao processo que, sem forma, protocolo ou template, usa um conjunto de ferramentas comuns: Yoga, Ayurveda, Psicologia, Nutrição, Coaching; para ajudar a encontrar o caminho de quem nos procura para caminhar de encontro com a vida que deseja criar para si.

    Após uma única sessão, é fácil perceber que algo mudou. A memória aclara, a concentração aumenta, a agitação da mente reduz, a ansiedade atenua e o corpo relaxa. Todo o sistema é revitalizado. Dá-se uma verdadeira purificação e rejuvenescimento do corpo e mente. Isso é terapia, pelo menos aos meus olhos.

    “Porque existe de facto, na vida de alguns de nós, um momento em que sentimos uma vontade incontrolável de parar e reavaliar.”

     

    Se fazes parte desse diminuto mas crescente clã de “alguns de nós” seguramente esse momento já te bateu umas certas vezes na vida, aparecendo como uma vontade simples de ficar em silêncio ou, para os mais loucos e aventureiros, uma tentativa de esticar o silêncio de um momento para o dia inteiro. Porém, por vergonha, baixa-auto-estima e forte julgamento pessoal talvez tenhas cedido ao berro estridente de uma voz interior que aponta: “que disparate, que perda de tempo, deixa para mais tarde”; e assim vamos protelando a existência para a saudosa lembrança daqueles que ficam quando partimos.

    Asseguro-te que é possível VIVER a Vida de forma clara, objectiva, plena e prazeirosa. Arrisco até dizer que é possível ser feliz a tempo inteiro pois apesar de não teres controlo sobre a Vida tens um poder pessoal incrível de intervir nela.

    Repara, SABES TANTO DE TANTAS COISAS : sabes do teu trabalho e possivelmente de mais dois ou três (porque te fizeram acreditar na importância da multidisciplinariedade), sabes sobre família, educação, parentalidade e  crises conjugais. Sabes sobre direitos sociais, ambiente, história, ciência e política, mas POUCO SABES DE TI. Controlas agendas, máquinas, pessoas, tempo e calendários mas tens uma dificuldade incrível em controlar a própria mente e canalizá-la à tua vontade.

    Este é o lugar comum da maior parte da humanidade que parasita a vida escrava dos desejos e aversões sem poder pessoal de investigar as suas vontades não contaminadas pela ambição de ser em comparação ao outro. Este é o lugar da maioria de nós antes de se tornarem em “alguns de nós”. Esse momento de metamorfose inicia no momento em que aparece o questionamento, eu chamo a isso o primeiro despertar. Mas, como todos os despertares dos últimos anos, habituaste-te a ignorar o despertador (esse aparelho que de tão indelicado deixou de ter forma própria e é agora um acessório sem grande destaque em qualquer telemóvel) e a ficar um pouco mais onde estás apesar de saberes que em breve vais saltar da cama taquicárdio e atrasado para coisa alguma.

    Mas talvez hoje tenha acontecido de forma diferente. Talvez por leres um livro, ou por te teres cruzado com um amigo que não vias há dias (e quando deste por ti passaram afinal anos) e perceberes o tão bem que está em comparação  a ti que pareces Pai dele, ou talvez estejas a passar por uma crise pessoal, familiar, conjugal ou profissional. Seja o que for que tornou este momento diferente agradece pois este é o teu MOMENTUM. Este é de facto “o primeiro dia do resto da tua vida” como canta Sérgio Godinho.

    Existem 3 tipos de pessoas que me procuram:

    1. A grande maioria que não sabe descrever de forma clara e objectiva a verdadeira razão que a traz até mim mas que que se cruzou com o tal amigo que lhe comentou da transformação pessoal efectiva que obteve com o Programa Back2Life e que partilha o meu contacto.
    1. Os “casos perdidos ou ignorados” pela medicina Ocidental que querem fazer algo por si mesmos uma vez que os outros que validam lhes dizem que não há mais nada a fazer (exemplo: doentes oncológicos, dependentes químicos de ansiolíticos e antidepressivos, casais com problemas de fertilidade, diabéticos, hipertensos, TOC, doentes crónicos de desordens esqueléticas, incontinência urinária e fecal)
    1. E alguns, felizmente cada vez mais, casos de despertares que querem finalmente começar a viver as suas vidas de forma consciente ora porque viveram recentes perdas, rupturas ou muito frequentemente grávidas que sabem que agora é o momento para aproveitarem a oportunidade de tomarem as rédeas da sua Vida e felicidade.

    Felizmente são cada vez mais os que se comprometem com o despertar mas ainda existe uma franja que quando confrontado com o “frio lá fora” decidem que ainda não é o momento certo para despertar e preferem recolher ao aconchego da rotina que não resulta mas conforta. A questão agora é tua – “Não sei se vale a pena investir este tempo em mim, este dinheiro. Como posso ter garantias do resultado? E se for apenas mais um daqueles impulsos de mudança que acabo por largar com o tempo”.

    Pois, o compromisso com o próprio despertar, de assumir um compromisso Back2Life, é de facto uma decisão pessoal pois não cabe a ninguém, que não tu mesmo, convencer-te a fazer algo, motivar-te. A motivação é algo que tem de vir de dentro e que só lidera o primeiro passo. É preciso muita força, disciplina e determinação para manter um caminho que, te asseguro é feito de solavancos, desafios, corpo e mente doridos. Só não sabe isso quem nunca caminhou.

    Assumir a liderança da tua Vida é A CAMINHADA da tua Vida, bem mais exigente que um doutoramento ou qualquer grau académico pois este processo de mudar a própria natureza da mente para que manifeste algo que antes não se evidenciava na estrutura da personalidade é algo que não se consegue apenas estudando conceitos filosóficos em livros e palestras. A MUDANÇA DE PARADIGMA é algo que tem de ser praticado e descoberto pessoalmente para se ter a verdadeira experiência dos seus benefícios.

    Para podermos dar este mergulho, precisamos de três coisas: (i) método certo, (ii) instruções certas e (iii) compreensão certa. As duas primeiras O PROFESSOR QUALIFICADO garante, a outra depende apenas de ti.

    Vamos a isso?

    [ Lara Lima ]

    WhatsApp: +351 915448303
    www.bmqbylaralima.com
    info@bmqbylaralima.com (assunto: programa BACK2LIFE).

    ___________
    Facebook
    |https://www.facebook.com/BmQbyLaraLima/
    Instagram
    https://instagram.com/bmqbylaralima
    YouTube
    https://www.youtube.com/channel/UC97f5xJ7oshGJPuTeqIsUkQ
    Twitter
    https://twitter.com/BmqYoga?s=08
    LinkedIn
    https://www.linkedin.com/in/bmq-escola-yoga-e-ayurveda-lara-lima-87221037/

    BACK2LIFE | Porque todos temos duas Vidas

    By | BACK2LIFE

    Porque todos temos duas Vidas,
    A SEGUNDA COMEÇA QUANDO PERCEBEMOS QUE TEMOS APENAS UMA

     

    Existe um momento na vida em que, alguns de nós, sentimos uma vontade incontrolável de parar e reavaliar. Não me refiro a momentos comuns como as passagens de ano e aniversários. Refiro-me a momentos efectivos em que procuramos o propósito de uma vida corrida entre casa, trabalho e pequenos momentos de lazer que nos sabem a pouco, que existem aos poucos e mesmo nessa migalha de existência são relegados para o tempo de um futuro incerto numa sociedade em que ter nome, fama e dinheiro é premissa de existência e tudo o que não seja uma acção em prol disso mesmo é pura perda de tempo.

    Se fazes parte desse diminuto mas crescente clã de “alguns de nós” seguramente esse momento já te bateu umas certas vezes na vida, aparecendo como uma vontade simples de ficar em silêncio ou, para os mais loucos e aventureiros, uma tentativa de esticar o silêncio de um momento para o dia inteiro. Porém, por vergonha, baixa-auto-estima e forte julgamento pessoal talvez tenhas cedido ao berro estridente de uma voz interior que aponta: “que disparate, que perda de tempo, deixa para mais tarde”; e assim vamos protelando a existência para a saudosa lembrança daqueles que ficam quando partimos.

    Asseguro-te que é possível VIVER a Vida de forma clara, objectiva, plena e prazeirosa. Arrisco até dizer que é possível ser feliz a tempo inteiro pois apesar de não teres controlo sobre a Vida tens um poder pessoal incrível de intervir nela.

    Repara, SABES TANTO DE TANTAS COISAS : sabes do teu trabalho e possivelmente de mais dois ou três (porque te fizeram acreditar na importância da multidisciplinariedade), sabes sobre família, educação, parentalidade e  crises conjugais. Sabes sobre direitos sociais, ambiente, história, ciência e política, mas POUCO SABES DE TI. Controlas agendas, máquinas, pessoas, tempo e calendários mas tens uma dificuldade incrível em controlar a própria mente e canalizá-la à tua vontade.

    Este é o lugar comum da maior parte da humanidade que parasita a vida escrava dos desejos e aversões sem poder pessoal de investigar as suas vontades não contaminadas pela ambição de ser em comparação ao outro. Este é o lugar da maioria de nós antes de se tornarem em “alguns de nós”. Esse momento de metamorfose inicia no momento em que aparece o questionamento, eu chamo a isso o primeiro despertar. Mas, como todos os despertares dos últimos anos, habituaste-te a ignorar o despertador (esse aparelho que de tão indelicado deixou de ter forma própria e é agora um acessório sem grande destaque em qualquer telemóvel) e a ficar um pouco mais onde estás apesar de saberes que em breve vais saltar da cama taquicárdio e atrasado para coisa alguma.

    Mas talvez hoje tenha acontecido de forma diferente. Talvez por leres um livro, ou por te teres cruzado com um amigo que não vias há dias (e quando deste por ti passaram afinal anos) e perceberes o tão bem que está em comparação  a ti que pareces Pai dele, ou talvez estejas a passar por uma crise pessoal, familiar, conjugal ou profissional. Seja o que for que tornou este momento diferente agradece pois este é o teu MOMENTUM. Este é de facto “o primeiro dia do resto da tua vida” como canta Sérgio Godinho.

    Existem 3 tipos de pessoas que me procuram:

    1. A grande maioria que não sabe descrever de forma clara e objectiva a verdadeira razão que a traz até mim mas que que se cruzou com o tal amigo que lhe comentou da transformação pessoal efectiva que obteve com o Programa Back2Life e que partilha o meu contacto.
    2. Os “casos perdidos ou ignorados” pela medicina Ocidental que querem fazer algo por si mesmos uma vez que os outros que validam lhes dizem que não há mais nada a fazer (exemplo: doentes oncológicos, dependentes químicos de ansiolíticos e antidepressivos, casais com problemas de fertilidade, diabéticos, hipertensos, TOC, doentes crónicos de desordens esqueléticas, incontinência urinária e fecal).
    3. E alguns, felizmente cada vez mais, casos de despertares que querem finalmente começar a viver as suas vidas de forma consciente ora porque viveram recentes perdas, rupturas ou muito frequentemente grávidas que sabem que agora é o momento para aproveitarem a oportunidade de tomarem as rédeas da sua Vida e felicidade.

    Felizmente são cada vez mais os que se comprometem com o despertar mas ainda existe uma franja que quando confrontado com o “frio lá fora” decidem que ainda não é o momento certo para despertar e preferem recolher ao aconchego da rotina que não resulta mas conforta. A questão agora é tua – “Não sei se vale a pena investir este tempo em mim, este dinheiro. Como posso ter garantias do resultado? E se for apenas mais um daqueles impulsos de mudança que acabo por largar com o tempo”.

    Pois, o compromisso com o próprio despertar, de assumir um compromisso Back2Life, é de facto uma decisão pessoal pois não cabe a ninguém, que não tu mesmo, convencer-te a fazer algo, motivar-te. A motivação é algo que tem de vir de dentro e que só lidera o primeiro passo. É preciso muita força, disciplina e determinação para manter um caminho que, te asseguro é feito de solavancos, desafios, corpo e mente doridos. Só não sabe isso quem nunca caminhou.

    Assumir a liderança da tua Vida é A CAMINHADA da tua Vida, bem mais exigente que um doutoramento ou qualquer grau académico pois este processo de mudar a própria natureza da mente para que manifeste algo que antes não se evidenciava na estrutura da personalidade é algo que não se consegue apenas estudando conceitos filosóficos em livros e palestras. A MUDANÇA DE PARADIGMA é algo que tem de ser praticado e descoberto pessoalmente para se ter a verdadeira experiência dos seus benefícios.

    Para podermos dar este mergulho, precisamos de três coisas: (i) método certo, (ii) instruções certas e (iii) compreensão certa. As duas primeiras O PROFESSOR QUALIFICADO garante, a outra depende apenas de ti.

    [Lara Lima]

     

    Vamos a isso?

    ___________
    Sabe mais informações

    WhatsApp: +351 915448303

    www.bmqbylaralima.com

    info@bmqbylaralima.com (assunto: programa BACK2LIFE)

    Facebook
    |https://www.facebook.com/BmQbyLaraLima/
    Instagram
    https://instagram.com/bmqbylaralima
    YouTube
    https://www.youtube.com/channel/UC97f5xJ7oshGJPuTeqIsUkQ
    Twitter
    https://twitter.com/BmqYoga?s=08
    LinkedIn
    https://www.linkedin.com/in/bmq-escola-yoga-e-ayurveda-lara-lima-87221037/