Om Namo Narayanaya

Narayana é um dos muitos nomes usados pela tradição védica para representar o senhor Vishnu, parte da trindade hindu (Brahma-Vishnu-Shiva) que se relaciona om a vida para preservar e sustentar a lembrança do mistério no Universo.

Porque iniciar este Blog com uma referência a Narayana?

Com o aumento exponencial do acesso à informação, ao conhecimento e à história de cada povo e símbolos, temos a oportunidade de nos aproximarmos ao que mais vibra connosco, o que nos inspira a agir, o que nos motiva a acção. Sempre fui uma pessoa de fé porém sem lhe saber dar uma direcção. Sempre houve em mim a certeza de que a Vida não podia ser apenas isto, que a realidade não era apenas a que os meus olhos alcançavam mas a representação da fé na cultura em que nasci deixou muito cedo de fazer sentido pela ausência de histórias e presença de uma repetição evangelizadora que me perturbava em vez de me inspirar.

Com os meus anos de estudo e prática dentro da Tradição Yoga e Ayurveda a afinidade com a mitologia Médica naturalmente se desenvolveu assim como o claro reconhecimento que esta abordagem mitológica tem para mim na forma como me permite observar e reconhecer a espiritualidade subjacente à vivência pessoal e com o planeta. 

O meu propósito neste Blog, é apenas partilhar um pouco do que a mim me motiva a ser uma pessoa melhor, a desenvolver o meu potencial humano e praticar uma sabedoria de melhor viver comigo e com o Mundo (a isso chamo de Ecologia Pessoal e abordarei noutro texto).

Para questões mais profundas e discussão sobre a veracidade dos textos mitológicos existem diversos e profundos estudos académicos e livros incríveis que referendam a espiritualidade nas mais diversas vertentes do pensamento – como na psicologia, na filosofia e na saúde.

O nome Narayana é composto de Nara (humano, homem) e Ayana (eterno, sem fim), ou seja, é uma representação de Vishnu na Terra (único lugar até ver onde se encontram Seres Humanos). Apesar da sua forma humana – Nara, a matéria que constitui o corpo de Narayana não apresenta as qualidades perecíveis da matéria sendo então eterno, sem fim – Ayana. Neste contexto Narayana serve o nome de Deus, do Senhor que governa a Terra, o símbolo da mais perfeita ordem (em referência à ordem que premeia todas as coisas e situações, mesmo aquela que a nossa perspectiva limitada, no tempo e no espaço, não nos permite reconhecer), Narayana representa também o início.

A sua representação mais comum é a que se apresenta na imagem acima, flutuando sobre ondas em cima das costas da serpente – Shesh Nag, segurando em cada mão um dos seus atributos divinos: um búzio – Pantchdjanya (que ao ser soprado ressoa o som que deu origem ao Universo – Om), um disco de energia – Sudarshana (representando o controle dos 6 sentimentos), um lótus Padma (que representa a pureza e verdade) e um cajado – Kaumodaki (que representa a força física e mental). Do seu umbigo, nasce uma flor de Lótus da qual emerge Brama, o deus criador do universo.

Outros nomes de Vixnu que derivam dos seus atributos:

  • Acyutah (firme, permanente)
  • Ananta (sem fim, eterno, infinito)
  • Kesava (de cabelo abundante e belo
  • NARAYANA (o que está sobre a água)
  • Madhava (relacionado à primavera)
  • Govinda (chefe dos pastores: um nome de Krishna)
  • Madhusudanah (aquele que destrói o demônio Madhu)
  • Trivikrama
  • Vamana (anão)
  • Aridhara
  • Hrsikeshah
  • Padmanabha (de cujo umbigo brota o lótus que contém Brama)
  • Damodara (um nome de Krishna)
  • Gopala (pastor: refere-se a Krishna)
  • Janardanah
  • Vāsudeva (filho de Vasudeva: refere-se a Krishna)
  • Anantasayana
  • Sriman
  • Srinivasa

_______________

Lara Lima
– Fundadora do Método BmQ
– Professora Yoga & Ayurveda
– Terapeuta Ayurveda