All Posts By

Método BmQ

BELLY LOVE – P DE PAI… E de princípio

By | BELLY LOVE
P DE PAI…
E de princípio 

Para cada M de Mãe existe um P de Pai, esteja ele associado ou não à mesma morada. Ser Pai não deve ser tarefa fácil. Reflicto muitas vezes sobre este tema com grávidas com quem trabalho, e confronto-as com alguns desafios que para as Mães são tão desconhecidos como para os Pais a sensação de receber um pontapé de dentro para fora. Vejamos alguns P de Pais que passam despercebidos mas que fazem olhar com outros olhos, e talvez um pouco mais de compreensão, para o P de Pai.

P DE PAI E DE PREMATURO

Esta é a primeira situação com que um Pai se depara. Ainda mal nasceu como Pai e já é esperado que se comporte como um a sério (se é que existem Pais a brincar). Para as Mães é fácil perceber que a vida vai mudar desde o momento em que um par de células se permite multiplicar naquele que até então foi um ventre unipessoal, mas será assim para os Pais? Seguramente que não. Um Pai é chamado de Pai sem que para ele nada mude além dos tracinhos no teste de gravidez e a bomba hormonal em que se tornou a companheira. Não deve ser fácil ser o que ainda não se é. E reagir a comentários como: Então, que tal a nova vida de Pai?, Tu não sentes nada? ou Como é possível não estares sempre a pensar nele?

P DE PAI E DE PARTEIRO

É um assunto delicado, principalmente para mim que como doula Ayurveda. Questiono-me sobre por que é que a sociedade espera que o Pai tenha consciência do que fazer para ajudar no trabalho de parto? E por que é que a sociedade médica espera que o Pai não ajude em nada? Numa sociedade em que o papel do Pai é reivindicado como um direito, e exigência materna, é urgente criar mais cursos de Preparação para o Parto para os Pais – eu só conheço o Super Pais, do www.bmqbylaralima.com. É preciso que mais Pais também queiram frequentar os cursos e entenderem o papel decisivo que podem ter na concretização de um parto suave. Estar ao lado da Mãe é mais do que dar a mão, dizer para respirar ou marcar presença.

P DE PAI E DE PURGATÓRIO

Se o Purgatório é um lugar entre o Céu e o Inferno, acredito que esse é o lugar onde a maior parte dos Pais se encontra naquelas horas marcadas pelo relógio da sala de parto. Um lugar onde sentem a intemporalidade do Inferno, ao verem as suas amadas a sofrerem para trazerem o bebé ao Mundo, e ao mesmo tempo aguardarem pelo Céu, aquele momento prometido em que ouvem: Parabéns, aqui está o seu bebé, perfeito e saudável! Às vezes faço o exercício de me imaginar como espectadora dos meus partos, sem poder fazer nada a não ser esperar que a coisa se dê. Horas infindáveis em que tenho de estar acordada, a apoiar, sem fazer ideia de como se sente o eu que está ali a sentir aquelas dores incríveis.

P DE PAI E DE:

  • PERSEVERANÇA, porque mantém o seu amor de forma inabalável apesar de, aparentemente, a Mãe ser a solução para todos os lamentos e dores;
  • PRESCINDIR, porque o Pai prescinde de protagonismo mesmo quando também ele sofreu durante horas na expectativa da Mãe e filho estarem bem depois de horas de esforço;
  • PARADIGMA, quando naqueles minutos após o nascimento tem de decidir se fica com a Mãe ou acompanha o bebé quando vai ser avaliado pelo pediatra;
  • PRENDADO, porque tem de aprender a dar banho, mudar a fralda e dar a papa mesmo nunca tendo treinado para isso na infância;
  • PRECONCEITO, quando decide ficar em casa em vez de ir trabalhar para tomar conta do filho;
  • PRESCINDÍVEL, por ser Imprescindível;
  • PROTAGONISTA, Pai só há um;
  • PRETERIDO muitas vezes às Avós para tomar conta do pequeno apesar de, como a Mãe, ninguém ser capaz de o fazer melhor;

P de Pai e de Parabéns a todos os que assumem o Papel de Pai que é um papel fundamental e de apoio incondicional à Mãe, mesmo antes de o bebé nascer. Parabéns às Mães que incentivam e treinam os Pais desde o primeiro dia porque, como em qualquer parceria, também Pai e Mãe têm papéis e acordos que devem ser definidos antes e redefinidos a cada momento de forma a permitirem que os envolvidos brilhem diante da criança a quem chamam de Filho/a.

Lara Lima
Fundadora do método BMQ, formadora da AMAYUR
Formadora reconhecida pela YOGA ALLIANCE
Terapeuta Ayurveda Sénior
Professora Sénior de Yoga.

    AYURVEDA – Coentros

    By | ALIMENTAÇÃO

    DHANYAKAAlguém já ouviu falar?

    Uma erva cultivada extensivamente em muitas partes do mundo como uma cultura de especiarias, muito utilizada como tempero de cozinha. As folhas e frutos possuem propriedades medicinais. Traz muitos benefícios à saúde e é refrescante, ótima para o verão. De que erva aromática estamos a falar?

    Nome Hindi
    Dhaniya

    Nome sânscrito
    Dhanyaka

    Nome em Inglês
    Coriander

    Nome latino
    Coriandrum sativum 

    Nome em português
    Coentro

    Sim, é ele, o nosso tão querido COENTRO! 

     

    • Rasa (sabor): Kashaya (adstringente) e Tikta ( amargo)
    • Gunas (atributos): Laghu (leve) e Snigdha (untuoso)
    • Virya (potência): Ushna (quente)
    • Vipaka (efeito pós digestivo): Madhura (doce)
    • Efeito nos Doshas: alivia os três Doshas – Vata, Pitta e Kapha

    BENEFÍCIOS

    • Reduz a inflamação e protege a pele contra o envelhecimento por ser rico em carotenoides e reduzir os danos causados pelos raios UVB;
    • Controla a pressão arterial, por ser rico em cálcio, nutriente que ajuda a relaxar os vasos sanguíneos e baixar a pressão arterial;
    • Rica fonte de cálcio, importante para a saúde óssea;
    • Controla o diabetes; ajuda a estimular as glândulas endócrinas, aumentando a secreção de insulina. Todo esse processo ajuda na decomposição adequada do açúcar no corpo, controlando o diabetes;
    • Tem propriedades diuréticas. O coentro é diurético por natureza, o que significa que ajuda a aumentar o volume e a frequência da micção, eliminando as toxinas do corpo;
    • Trata feridas e úlceras bucais; contém Citronelol, que é um ótimo anti-séptico. Ajuda a acelerar o processo de cicatrização de úlceras bucais e também previne o mau hálito;
    • Auxilia a digestão. O coentro é rico em borneol e linalol, que auxiliam na digestão; regula o funcionamento do fígado e ajuda a combater infecções intestinais. Também é útil na prevenção da diarreia; 
    • Trata a osteoporose. O coentro contém vitamina A, riboflavina, niacina, ácido fólico, vitamina C, vitamina K e caroteno. Todos estes elementos ajudam a prevenir a osteoporose;Previne a anemia. As sementes do coentro são uma rica fonte de ferro. A deficiência de ferro causa anemia e, portanto, é recomendável incluir sementes de coentro em sua dieta diária;
    • Reduz o colesterol, pois possui gorduras insaturadas e vitamina C, que ajudam a reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o bom (HDL);
    • Previne Artrite. As sementes de coentro possuem compostos como o ácido linoléico e o cineol, que são bem conhecidos por suas propriedades antiartríticas e anti-reumáticas;
    • Ajuda a desintoxicar e eliminar metais pesados do organismo, como o mercúrio, alumínio e chumbo.

    INFORMAÇÃO NUTRICIONAL
    A tabela a seguir traz a informação nutricional para 100g de coentro.

    Coentro cru

    Coentro desidratado

    Energia

    28 kcal

    309 kcal

    Carboidrato

    1,8 g

    48 g

    Proteína

    2,4 g

    20,9 g

    Gordura

    0,6 g

    10,4 g

    Fibras

    2,9 g

    37,3 g

    Cálcio

    98 mg

    784 mg

    Magnésio

    26 mg

    393 mg

    Ferro

    1,9 mg

    81,4 mg



    COMO PLANTAR
    O Coentro pode ser cultivado durante o ano todo, crescendo facilmente em pequenos vasos dentro ou fora de casa, mas sempre em locais que recebam bastante luz do sol.

    Para plantar, deve-se ter um solo rico em nutrientes e úmido, onde coloca-se as sementes do coentro a uma profundidade de cerca de 1,5 cm, distantes umas das outras pelo menos 3 cm.

    As sementes devem ser regadas com frequência e costumam germinar após cerca de 1 a 2 semanas. Quando a planta estiver com 15 cm, já pode-se colher suas folhas semanalmente, e a planta já não irá precisar mais de tanta água, apenas de solo húmido.

    RECEITA CASEIRA
    Uma bebida desintoxicante
    , refrescante e muito fácil de fazer, útil em casos de febre, sensação de queimação, sede e outras condições de Pitta elevado. É especialmente benéfico para quem sofre de calor corporal excessivo, como no verão ou durante a febre.

    Modo de fazer

    – Pegue uma porção de sementes de coentro trituradas (10g)
    – Adicione 6 partes de água (60ml)
    – Mantenha a mistura coberta durante 1 noite
    – Na manhã seguinte, filtre e misture com um pouco de açúcar

    • Beber com o estômago vazio.

    Tome esta bebida por, pelo menos, 1 semana para começar a sentir a diferença!

    Mônica Teles Lloyd

    BACK2LIFE – Uma outra perspectiva sobre a realidade

    By | BACK2LIFE

    UMA OUTRA PERSPECTIVA SOBRE A REALIDADE
    O Covid-19 como convite para rever a Humanidade e a evolução da espécie.

    Não precisamos ser especialistas em antropologia, geografia ou história para reconhecermos, sem sombra de dúvida, que o planeta onde estamos gira e que por isso há dia e noite e diferentes fases lunares. Mas nunca foi tão evidente que o que é certo agora não é necessariamente a verdade nos minutos seguintes.

     

    Vivemos num momento em que tudo acontece muito rápido.

     

    O conhecimento é instantâneo e o acesso ao mesmo depende apenas da velocidade de rede, os alimentos crescem em poucos dias, em qualquer altura do ano, e as vacinas criam-se em poucos meses sem necessidade de protocolos que eram até aqui fundamentais. 

    O Mundo como o conhecíamos, como estudávamos, mudou e estamos tão abismados com a mudança que nos esquecemos de que ela acontece sem se preocupar com referendos, oposição ou concordância. 

    O Mundo mudou mas convidou-nos a mudar com ele. Deu-nos tempo para mudar, mas o tempo dele. A Natureza é soberana e nós impertinentes talvez por isso não vejamos o convite para percebermos que a Humanidade talvez não tenha grande chance contra o que não vê, mas o Sapiens pode evoluir.

    Importa esclarecer à partida que não sou negacionista (seja lá o que isso for na cabeça de cada um dos leitores), fundamentalista (apesar de ter o direito de pensar diferente) nem tão pouco evangelizadora (o título deste texto não é “a verdade sobre a actualidade” mas sim “uma reflexão sobre a actualidade”). 

    Peço ao leitor que apresenta níveis de irritabilidade com a leitura que feche a página pois não vale mesmo a pena irritar-se com este texto (ele terá menos de uma centena de leitores, asseguro-lhe que raramente alguém partilha os meus textos… fosse assim com o contágio e a humanidade estaria segura). Se por outro lado a teimosia, curiosidade ou indignação o fizer ler o texto até ao fim talvez haja espaço para refletir  sobre qual de nós não aceita uma opinião diferente querendo fazer valer a sua opinião como a verdade absoluta. 

     

    Esclarecido isto seguimos.

     

    Observar e sentir o dia antes de me manifestar sobre as previsões que fizeram sobre ele é a minha forma de ser e acredite que até aqui em casa gera celeuma com o meu marido que não compreende porque não escolho a roupa dos miúdos no dia anterior.  

    Acordar e abrir a porta, sair lá para fora e observar a natureza por uns minutos em silêncio é, para mim, contactar a existência e reintegrar-me a cada dia com o que é um facto, uma verdade e uma observação directa. O tempo é o que é e não o que eu quero que seja. Só chove quando estão reunidas as condições perfeitas para chover. Não se trata de ser o dia certo ou a época do ano. A Natureza está pouco se borrifando para as previsões e não se preocupa com a agenda. A Natureza não tem perfil de instagram nem necessita de likes e shares. A Natureza é, existe. Podemos aceitar ou fazer birra, para ela dá igual. Ela estava cá antes, já acolheu milhares de espécies, e aqui permanece após extinção de tantas e tantas espécies e culturas e aqui continuará quando a humanidade se extinguir.

    A Natureza pacientemente acolhe a nossa evolução mas está a ficar, aos meus olhos, um pouco cansada da nossa pouca esperteza, ou como diz o meu Pai, farta da nossa “esperteza saloia”. Temos a mania que somos a espécie dominante e que controlamos o Mundo, que o Mundo precisa de nós. Mas os dinossauros também dominavam o Mundo e agora servem de tema a Museus. Aliás qualquer “um” que tenha tentado dominar o Mundo acabou nos livros de história como histórias, a maior parte delas tristes.

    A Covid-19 não está aqui para dominar o Mundo ou exterminar a humanidade. Se fosse para isso talvez a Natureza tivesse usado algo tão mortal como o ébola. A verdade é que a Covid-19 é uma aprendizagem exigente mas suave e que nos dá a oportunidade de aprender. A questão é que numa Humanidade de canudos poucos sabem sobre a vida. Eu também sei pouco mas reflito bastante.

    Os temas que motivaram reflexões:

    1. Os Números

    A matemática é uma criação do Homem na tentativa de se aproximar do código da criação global. Porém a equação para a criação global continua um Divino Mistério. Por isso, quando acontece algo que não entendemos refugiamo-nos nos números. Quantos mortos, quantos recuperados, quantos infectados, quantos testes, quantos segundos para lavar as mãos, quantas horas dura a máscara, quantas lavagens. O quantitativo está de tal forma destacado que já nem o relacionamos ou procuramos ter uma análise critica sobre os números e então, como qualquer criança mais esperta, brincamos com os números fazendo magia aos que ainda não perceberam a lógica matemática, fazendo-os acreditar no que queremos. É fácil assim.

    Não é  preciso ter um doutoramento em matemática para perceber a diferença entre milhares e milhões e entender que falamos apenas daquilo que tem registo e por isso não da realidade. É preciso ter discernimento para o que a matemática nos mostra sem a interpretar ao nosso gosto catastrófico de querer gerar o pânico. Talvez se fossemos todos mais honestos, fossemos também mais conscientes. Sim, morrem milhares de pessoas mas são muitas mais as que recuperam. Existem milhões de pessoas infectadas mas na verdade muitas mais do que as que sabemos pois a exactidão obrigaria a falar de pessoas diagnosticadas. 

    A questão não está no número a questão está no registo. Pois pertencer aos números significa que de alguma forma sentimos o contágio e somos responsáveis por ele (o nosso e o de outros).

    2. Os contágios

    Paolo Giordano escreve “O Cov-2 não se interessa por quase nada de nós, não se interessa pela nossa idade, nem pelo nosso sexo, nem pela nossa nacionalidade, nem pelas nossas preferências.” Estas palavras foram bastante esclarecedoras para mim no que diz respeito à democracia do contágio. Todos podemos e vamos ser eventualmente contagiados. 

    Eu fiz parte dos números de infectados em Julho de 2020 e correu bem, fiz parte também do número de recuperados. Porém, não tive nem um sintoma o que fazia de mim um potencial vazio numérico não fosse o meu marido ter sintomas e me ter levado a fazer o teste.

     

    A pandemia teve um efeito revolucionário na forma como pensamos a nossa individualidade. De repente, em 2020, passamos a ver-nos como pertencentes a uma colectividade e o que fazemos ou não fazemos deixou de dizer exclusivamente respeito a cada um de nós para nos convidar, agora, a ter em conta a presença do outro nas nossas escolhas individuais. 

     

    Philip Warren Anderson tinha afinal razão quando, no século passado, afirmou que “o efeito cumulativo das nossas ações individuais sobre a colectividade é diferente da soma dos efeitos individuais. Se somos muitos, cada comportamento nosso tem consequências globais abstratas e difíceis de conceber”. Talvez o contágio seja o sistema mais democrático e honesto neste momento, não aceita luvas, não aceita imunidade política, não esquece mercenários. O contágio coloca-nos em igualdade nesta questão de Ser humano na actualidade apesar de a política nos fazer querer acreditar que o contágio tem horário estabelecido, zonas demarcadas e férias sempre que há futebol ou encontros políticos. 

    É importante percebermos que estamos perante qualquer coisa maior, que merece a nossa atenção e o nosso respeito. Que exige de nós todo o sacrifício e toda a responsabilidade de que sejamos capazes de perceber o impacto das nossas ações nos outros e as ações dos outros em nós. Só isso travará o contágio e não as máscaras (senão como justificamos o aumento dos números num momento em que as máscaras dominam o planeta e o álcool gel está mais presente do que a água com sabão).

    3. As máscaras

    Ah, se ao menos usássemos as máscaras direito. Se ao menos elas tapassem a boca impedindo tanta verborreia, tanta autoridade, tanto pseudo-sabedoria, tantas teorias e tantas certezas num momento claramente marcado pelo desconhecido e pela incerteza.

    As máscaras limitam a acção da boca mas também a percepção através da boca. As máscaras quando bem colocadas limitam a captação do prana mas também o olfacto e o nariz empinado. As máscaras são um convite evidente a falar menos e a ouvir mais. A comer menos e jejuar mais. A olhar mais nos olhos. Quão mais silencioso e verdadeiro seria o Mundo se usássemos bem as máscaras. Se vissemos mais, se ouvíssemos mais. Se fossemos mais humanos e menos super-heróis e ditadores de uma política, certeza e sabedoria que é cada vez mais tirana e menos democrática. 

    4. O Confinamento

    John Donne escreveu “nenhum homem é uma ilha” e, apesar de o ter escrito há 4 séculos atrás, parece que o confinamento nos veio confrontar com essa dura realidade. 

    Até confinarmos vivíamos em ilhas pessoais sem nos apercebermos! Partilhávamos a nossa própria ilha sem saber, talvez nos cruzássemos raríssimas vezes com os restantes habitantes ou talvez estivéssemos demasiado cansados e absorvidos nas nossas vidas para perceber as suas presenças próximas e por isso foi tão duro para a maioria perceber que havia mais gente na Ilha e que tínhamos agora de partilhar o espaço o tempo todo. De repente os outros que optamos ter perto pareceram estar demasiado próximos e isso gerou desconforto e rupturas (acho que só não nos separamos dos filhos porque não é permitido mas saltamos de alegria com a carta de alforria de os mandar de novo para a escola). Mas confinar foi também um convite para nos confrotarmos com a vida que escolhemos, usufruirmos do espaço pelo qual hipotecamos a liberdade de fazer o que gostamos, para fazermos o que precisamos para pagar um espaço do qual esperamos um dia usufruir mas que na primeira oportunidade, vulgo férias, abandonamos.

    Acredito que a Covid-19 se apresenta menos como uma ameaça e mais como um convite para rever a humanidade e a evolução da espécie através de uma outra perspectiva sobre a realidade. O que tínhamos como certo, como normal, como real foi suspenso e ninguém pode prever por quanto tempo, arriscaria no “para sempre”, até o para sempre durar. Agora é o tempo da novidade, da mudança, do desconhecido e é melhor começarmos a deixar de fazer birra e a aprender a viver nesta nova realidade. Esta é a grande vantagem dos vírus, são mais hábeis do que nós a adaptarem-se a novas realidades. Convém-nos aprender com eles a fazer um melhor uso do que temos e repensarmos COMO QUEREMOS RECOMEÇAR.

    – Obra de arte apresentada na imagem é da autoria de Cláudia Santos. Uma obra realizada e vendida na exposição Arte de Bolso na Galeria Sete em Coimbra 🙃

    Lara Lima
    Fundadora do método BMQ
    Formadora da AMAYUR
    Formadora reconhecida pela YOGA ALLIANCE
    Terapeuta Ayurveda Sénior
    Professora Sénior de Yoga.

      DAILY AYURVEDA – Rotinas: Prisão ou Liberdade?

      By | DAILY AYURVEDA

      1,2, 3 VAMOS LÁ OUTRA VEZ… ROTINAS
      Rotinas: Prisão ou Liberdade?

      Bem-me-quero é o meu mantra. É o mantra que partilho todos os dias, a todas horas, aqui e agora, mesmo quando parece difícil acreditar que é possível me bem querer quando existe um relógio a controlar o tempo, uma sociedade a exigir acções e uma cultura a determinar comportamentos. Já vos disse que sou Mãe, empresária, professora, terapeuta, dona de casa, namorada, amiga, contribuinte… enfim, um Ser humano semelhante à maioria e integrado na sociedade mercantilista e ocidental? Faço questão de me assegurar que sou exactamente como a maior parte de vós que me lêem. Nem mais, nem menos. Apenas mais um ser humano em busca de uma existência plena que faça sentido. Para isso uso Bem-me-quero como mantra e Ayurveda como filosofia. 

      Quero acreditar que a cada expiração e vibração das minhas cordas vocais, a cada movimento dos meus dedos, transmito esta paixão pela Vida e bem querer a quem me ouve e me lê. 

       

      Ayurveda trouxe-me Luz contínua sobre a possibilidade de bem-me-querer, mesmo quando parecia impossível conjugar este amor pela Vida, por mim, com as exigências familiares, profissionais, sociais e pessoais. Já vos aconteceu verem-se num momento da vossa vida em que parece que a agenda simplesmente não tem tempo para vós? A própria agenda excluir o seu dono sem lhe dar qualquer hipótese de ocupar as suas linhas  com necessidades pessoais fazendo valer o tempo do outro mais do que o tempo da existência de quem lhe proporciona a possibilidade de existir. A minha agenda teve alturas de parecer mais carrasco que um conjunto de folhas brancas escritas apenas com a minha autorização e tudo começou num tempo longínquo em que viver sem rotinas era a rotina. Uma rotina justificada pela birra de criança em ser diferente, em ser dona do meu tempo e do meu nariz, sem me dar conta que nessa birra me perdia aos poucos da minha própria existência.

      Sou teimosa e resistente à mudança como qualquer Kapha e o meu Pitta não ajuda uma vez que encontra sempre argumentos para manter o comportamento que virou hábito mas, o grande ensinamento que a Ayurveda me trouxe foi o de olhar para mim em vez de olhar para o espelho ou para a imagem que os outros tinham de mim ou queriam fazer de mim. 

      O Ayurveda levantou o véu da ignorância que fazia do meu reflexo a minha verdade quando se tratava apenas de um reflexo. Foi através deste ensinamento que o Ayurveda me apaixonou – da simplicidade de compreender a Vida tal como é… viva, real.

      Entender que o reflexo é apenas um momento, uma perspectiva limitada no tempo e no espaço permitiu-me olhar noutros sentidos, perceber outras formas e aceitar que todo o Mundo está em permanente mudança. Umas formas mudam mais rápido que outras mas todas mudam e mais interessante que isso, toda a mudança é cíclica, rotineira. Assim como o Planeta, não apenas o nosso, também as Estrelas, as galáxias e até o relógio são redondos voltando inevitavelmente a um novo início. 

      monótona rotina de existir todos os dias, de todos os dias haver um “novo nascer” e um “novo pôr-do-sol”, todos os Invernos serem seguidos de um Verão, toda a árvore gerar semente e toda a semente gerar árvore.

      De acordo com a medicina Ayurveda, a rotina – charya é um aspecto fundamental da Vida. Aliás a certeza da Vida baseia-se na rotina constante de expansão e retracção, de inspiração e expiração. 

      Seja a rotina diária, dinacharya – composta por quatro horários básicos que estabelecem o ritmo do dia, seja a rotina sazonal, ritucharya, estabelecem o ritmo da Vida em diferentes momentos da Vida, as rotinas permitem a organização das actividades diárias e sazonais e essa organização traz um fluxo natural e saudável. logo apaziguador, à Vida. A rotina não precisa de ser rígida, mas também não deve incluir excepções em demasia – é importante haver disciplina sem cobrança, coersão e frustração. A rotina é um direito e não uma obrigação. A rotina é natural à vida e não uma obrigação desta.

      Como começar então a estabelecer algumas rotinas PRÓ VIDA?

       

       

       

       

       

      HORÁRIO DE COMEÇAR E TERMINAR O DIA

      O ideal é levantarem-se (pelo menos) 1h antes do sol nascer (entre as 5h30 e as 7h30), momento do dia conhecido como Brahma muhurta, para despertar com ânimo e captar as qualidades de leveza, alegria e animação que caracterizam o nascer do dia. Já o deitar, deve ser entre as 22h e as 22h30, se possível com uma massagem aos pés com óleo de sésamo, para ter um sono calmo e tranquilo. Se não se puderem deitar-se tão cedo, pelo menos evitem deitar-se depois das 23h30. Se não tiverem sono, sugiro que bebam um copo de leite (inteiro ou gordo, ou para quem só bebe bebidas vegetais um copo de leite de amêndoa) morno, com gengibre e cardamomo – é nutritivo para o corpo e acalma a mente. Esta é uma das recomendações do Ayurveda que merece destaque, um horário que está de acordo com o ritmo da Natureza.

       

       

       

       

      FAZER EXERCÍCIO ANTES E DEPOIS DE COMEÇAR E APÓS TERMINAREM O LUFA LUFA

      Refiro-me ao horário Pita, entre as 10h e as 14h, por isso são actividades que devem ter características diferentes. Para acordarem é necessário um exercício mais intenso e vigoroso, que desperte a paixão e energia pela Vida. Para prepararem o regresso a casa, é preciso permitir que os primeiros minutos após as exigência do dia sejam dedicados a despertar e tomar consciência do Ser Maravilhoso que são, e perceber o vosso enquadramento neste quadro brutal a que chamamos Vida.

       

       

       

       

      PRATIQUEM A RESPIRAÇÃO CONSCIENTE E A MEDITAÇÃO ANTES DE SAIR E AO CHEGAREM A CASA

      A ideia é perceberem o impacto que o exterior, que chega até vocês através dos sentidos, tem na vossa Plenitude. Realizar a respiração e meditação consciente entre as 2h e as 6h da manhã, ou da tarde, equilibra o Vata, ou seja, diminui a excitação. Uma respiração deficiente pode levar à obstipação, má digestão e perturbação na memória e raciocínio.

      Se seguirem estas orientações ayurveda simples, um apropriado regime alimentar, e evitarem os desvios e a imprudência nas nossas rotinas, podem ter uma vida saudável e feliz. Para o Ayurveda é fundamental terem também um rotina de observância das atitudes mentais e morais, para não gerarem stress no organismo e não ficarem doentes.

      *Estas são apenas indicações simples e transversais para a manutenção de uma boa saúde, porém o Ayurveda recomenda que se siga um programa, de acordo com a nossa constituição (Prakruti) e condição (Vrikruti). Para isso marquem uma consulta com um terapeuta Ayurveda certificado e credenciado. Peçam informações à AMAYUR – Associação Portuguesa de Medicina Ayurveda, sobre um terapeuta credenciado na vossa área de residência.

      Lembrem-se sempre de sorrir, rir e brincar.

      Não dramatizem, nem levem a vida tão a sério, aprendam a relativizar e lembrem-se que o sorriso é o caminho mais curto para a felicidade e para a saúde perfeita!

       

      Próxima Edição DINACHARYA – Rotinas Ayurveda

      PROGRAMA DINACHARYA (Rotinas Ayurveda)
      Lara Lima
      Fundadora do método BMQ, formadora da AMAYUR
      Formadora reconhecida pela YOGA ALLIANCE
      Terapeuta Ayurveda Sénior
      Professora Sénior de Yoga

      AYURVEDA – Lasuna

      By | ALIMENTAÇÃO

      Hoje é a vez de falarmos do nosso tão querido alho!

      É uma especiaria anti-envelhecimento, é quente, limpante, tônico cardíaco, digestivo, bom para os olhos, melhora a força e a qualidade dos cabelos, útil na tosse e asma. Porém, precisa de alguns cuidados na sua administração. 

      O alho contém beta-mercaptanos, conhecidos por se ligar e quelar o mercúrio e ajudar a eliminá-lo do corpo através da urina. 

      Nome botânico
      Allium Sativum

      Nomes sânscritos
      Rason / Ugra Gandha / Lahsun

      Nome em inglês
      Garlic

      Nome em português
      Alho

      Partes usadas
      Bulbo, óleo

      Propriedades

      • Rasa: 5 sabores (doce, salgado, picante, amargo e adstringente), exceto Amla (ácido)
      • Guna: Guru (pesado), Snigdha (oleoso), Tikshna (penetrante)
      • Virya: Ushna (quente)
      • Vipaka: Katu (picante)
      • Efeito nos Doshas: equilibra Vata e Kapha, agrava Pitta.

      Usos medicinais tradicionais

      • Rasayana (rejuvenescedor)
      • Vajikarana (afrodisíaco)
      • Krimihara (anti-helmíntico)
      • Vataghna (anti-flatulência / pacifica Vata)
      • Aruchihara (para abrir o apetite)

      Alho, um alimento tamásico com benefícios para a saúde

      O alho tem propriedades rejuvenescedoras. Isto significa que o consumo por um longo período de tempo tem um efeito anti-envelhecimento para a sua saúde. Mas o alho é um alimento tamásico, e Tamas significa escuridão, trevas.

      Neste caso, significa que não seria adequado aos que buscam o celibato e sucesso espiritual. Entretanto, os benefícios do alho prevalecem sobre os efeitos tamásicos. A menos que você seja um sério buscador espiritual, você poderá continuar desfrutando dos benefícios do alho.

      Compostos organosulfurados (principais componentes) contidos no alho e possíveis atividades biológicas

      • Aliina: Hipotensor, hipoglicemiante
      • Ajoeno (ajocisteína): Prevenção de coágulos, antiinflamatório, vasodilatador, hipotensor, antibiótico Alicina e tiosulfinatos: Antibiótica, antifúngica, antiviral
      • Alil mercaptano: Hipocolesterolemiante
      • S-alil-cisteína e compostos y-glutâmico: Hipocolesterolemiante, antioxidante, quimioprotetor frente ao câncer. 

      Compostos não organosulfurados contidos no alho e possíveis atividades biológicas

      • Adenosina: Vasodilatadora, hipotensora, miorelaxante
      • Fructanos (Escorodosa) Cardioprotetora
      • Fração protéica F-4: Imunoestimulante
      • Quercetina: Antialergênica
      • Saponinas (gitonina F. eurobósido B): Hipotensora, antimicrobiana
      • Escordinina: Hipotensora, aumenta a utilização de B1, antibacteriana
      • Selênio: Antioxidante
      • Ácidos fenólicos: Antiviral e antibacteriana
      • Saponinas Anticancerígena
      • Compostos sulfurados – reduzem arteriosclerose – ação redutora do colesterol e inibidora do PAF (Fator de Agregação Plaquetária).  
      • Alicina e garlicina – propriedades antibacterianas – ação positiva em infecções crônicas e agudas da pele.
      • Inulina – fibra solúvel (frutanas) – redução dos lipídeos circulantes e no controle da glicose sanguínea
      • Germânio – micromineral usado como agente rejuvenescedor, anticancerígeno e estimulante da imunidade.
      • Ácidos graxos – função de reduzir o colesterol, controle da pressão arterial e melhora da circulação.

      Formulações

      • Lashunadi Vati – usado para diarréia, dispepsia e doenças relacionadas ao estômago e intestino.
      • Rasonadi Kashayam – usado em tratamentos do Ayurveda para inchaço, vômito, náusea, tosse, etc.
      • Lashunadi Ghrita – Ghee de ervas usado nas desordens abdominais, condições neurológicas, etc.
      • Vettumaran Gulika – usado em tratamentos do Ayurveda para febre, vômito, cólicas abdominais.

      Dosagens

      • Kalka (pasta): 1-5 g/dia
      • Swarasa (suco): 5-10 ml
      • Óleo: 1-2 ml/dia

      Remédios caseiros

      • Ferver 2 dentes de alho amassados em uma xícara de água e acrescentar mel quando estiver morno. Beba como chá para tratar o resfriado.
      • Comer 1 dente de alho cru por dia é excelente para o colesterol alto.
      • Pessoas com Pitta agravado podem fritar o alho com Ghee ou ferver 1 ou 2 dentes de alho com leite.
      • Como uso regular, o melhor método é integrá-lo nos ingredientes dos seus cozinhados.

      Precauções

      • Limite a quantidade de consumo de alho no verão
      • Pessoas Pitta devem ser comedidos no consumo do alho
      • Logo após comer alho, melhor evitar: exposição ao sol, exercícios, ira, tomar água e leite com jaggery
      • É seguro para crianças, grávidas e lactantes
      • O alho poderá causar mal hálito
      • Para mulheres com intenso fluxo menstrual, recomenda-se parar o consumo de alho 5 dias antes do período menstrual e até parar.
      Mônica Teles Lloyd

      DAILY AYURVEDA – Rotinas? Como, Para quê?

      By | DAILY AYURVEDA

      ROTINAS? COMO, PARA QUÊ?

      Quantos ashtags precisas de colocar no teu telemóvel, quantos post it’s precisas de colar no espelho da tua casa de banho, frigorífico e secretária, quantos mais lives, ted talks e blogs tens de seguir, quantos mais livros, blocos de notas e workshops tens de experienciar até te decidires Viver em verdade com aquilo que sabes ser verdade:

      A Vida flui quando te responsabilizas por ela.

      Somos desde muito cedo uma cadeia de acontecimentos e “puros acasos” como canta o Miguel Araújo na Balada Astral e mostra a nossa sequência de ADN. Está na hora de fazermos a nossa parte e deixar ao “acaso” aquilo que pertence ao tempo e espaço. 

      • Mas o que é isto de nos responsabilizarmos pela vida? 
      • Quem quer ser o capataz de si mesmo? 
      • Em pleno século XXI ainda acreditas que a disciplina prende? 

      Não aprendeste nada com Jorge Palma quando afirma “a independência é uma besta que dá cabo do desejo e a liberdade é uma maluca que sabe quanto vale um beijo”?

      Em pleno século XXI, após uma pandemia global que privou a humanidade das suas rotinas atirando tanta gente para depressões profundas ainda acreditas que as rotinas são aborrecidas? Não aprendeste nada com o confinamento? 

      Em pleno século XXI em que a tua vida é marcada pelo ritmo frenético de um relógio, que já não precisa de ti para trabalhar, numa escravidão sem limite espaço/temporal ainda acreditas que controlas ou és livre em alguma coisa na tua Vida?

      Ter rotinas é ter um espaço de liderança e liberdade no planeamento e “execução” da própria vida. É assumir e cuidar de comportamentos que dependem exclusivamente de ti e não de outros, da tua motivação ou vontade. 

      Ter rotinas é ter um plano, um foco, uma direcção, uma constante na agitação frenética de um mundo em constante mudança. 

      Ter rotinas parece fácil. Parece que não temos porque não queremos mas a verdade é que estabelecer uma agenda diária que inclua tempo para parar e escutar é uma tarefa hérculea. Principalmente antes de se ter um conhecimento Ayurveda que te perceba como indivíduo e adequa as tuas rotinas às tuas idiossincrasias e necessidades.

      Estabelecer um Dinacharya, que em sânscrito significa rotina/disciplina diária, implica ter cuidados diários com o corpo físico, mental e energético alinhados com o contexto social, sazonal e familiar estabelecido. 

      Praticar todos os dias as rotinas que alimentam uma ecologia pessoal independentemente dos inúmeros eventos que nos parecem levar noutro caminho, requer perseverança, disciplina e amor. Independentemente dos anseios e dramas pessoais, a Vida flui em ciclos que se repetem eternamente, num ritmo sobre o qual não temos nenhum controle, mas que nos influencia. Quando entendemos como esses ciclos agem dentro de nós, podemos entrar nessa dança de uma forma mais harmoniosa. E com o tempo, vamos experienciando e observando por nós mesmos os benefícios de fluir nesse ritmo mais natural, do qual uma prática diária faz parte.

      É importante lembrar que disciplina só combina com amor no tempo por isso há que respeitar o tempo necessário à integração da mudança. Ao contrário da maior parte das coisas que acontece neste “fast living”, a mudança de paradigma não acontece de um dia para o outro. Mudanças efectivas requerem tempo.

      O truque é não focar no corte dos hábitos antigos, mas pensar em criar novos, que gerem mais espaço, luz e discernimento para depois abandonar o que não nos serve mais (como uma roupa apertada ou tão gasta que já não serve o seu propósito).

      Apesar do Ayurveda ser exclusivo de cada Ser e cada momento existe uma lógica global nesta matemática Divina.

      O Dinacharya, rotina diária, está totalmente integrada nos ciclos da natureza. Por exemplo, das 6h às 10h da manhã é a hora Kapha, que traz consigo as qualidades deste Dosha, que é pesado, lento, frio, suave e pegajoso.

      Quando aumentamos esses atributos, dormindo, comendo alimentos frios e doces, como iogurte e pão, o que acontece é que os reforçamos, levando ao seu agravo e gerando desequilíbrios como sensação de peso, produção de muco ou náuseas.

      A ideia de seguir o Dinacharya é exatamente equilibrar a tendência natural de cada fase do dia, para que nenhum Dosha se agrave.

      Como fio condutor de uma rotina diária respeitando a ecologia pessoal o Ayurveda defende que devemos acordar com o nascer do sol, equilibrando a tendência Kapha dessa hora. A primeira coisa a fazer quando despertamos é agradecer. Parece simples, mas quantos dias efectivamente acordaste agradecendo a oportunidade que agora se inicia em detrimento de começar o dia pensando nos a fazer, nos problemas do dia anterior ou resistindo a acordar? Estamos vivos e não há nada melhor que isso. Um dia novo começa e com ele se acercam milhões de possibilidades de encontros, experiências, vivências e aprendizagens que não podemos imaginar, por muito previsível que nos pareça o quotidiano.

      Quando nos levantamos, devemos começar nas tarefas de eliminação resultante do metabolismo da noite. Para isso a primeira coisa que deves fazer é tomar um desjejum liquido (água morna, sumo de aipo ou chá de gengibre) para hidratar o corpo, eliminar toxinas e despertar o Agni, o fogo digestivo. Depois um pouco de exercício (10-15m) e logo sentirás vontade de iniciar as eliminações matinais, essencial para começar o dia renovado lembrando de  deixar para trás tudo o que pertence ao dia anterior com um banho para purificar o corpo e mente.

      Quanto aos horários de ingestão de alimento sólido, respeita a tua fome e não a tua vontade ou hábito de comer e come pouco de manhã, bem à hora de almoço e leve a partir do pôr do sol, lembra que o nosso Agni segue o ritmo do Sol.

      Das 14h às 18h é o horário Vata, ótimo para trabalhos mentais e criativos. Das 18h às 22h volta o horário Kapha, e naturalmente um óptimo momento para uma prática espiritual como meditação ou namorar.

      À noite, um jantar leve facilita o sono e o descanso, não devendo ser feito depois das 20h da noite. Também os sentidos devem ser nutridos com impressões leves. 

      Como falamos anteriormente seria ideal a partir das 20h preparar corpo e mente para descansar, o que pode não ser exequível com as tuas rotinas, mas lembra-te que então também o acordar antes do nascer do sol se tornará desafiante. Facto inegável é que a partir das 22h é de novo o horário Pitta e se mantiveres os estímulos até essa hora, naturalmente vais aumentar atividade nervosa depois (daí muitos testemunhos de gente que diz não conseguir dormir à noite, por ser o período em que se sente mais ativo).

      Das 2h às 6h é o horário Vata e não por acaso coincide com o horário em que a maior parte das pessoas que sofre de insónias relata que acorda e já não consegue voltar a dormir. Descanso e sono são necessidades tão importantes quanto a alimentação, por isso ter uma rotina que favorece boa qualidade de ambas é fundamental.

      Acima de tudo relembra que estas não são regras fixas, mas sugestões que podes seguir, pôr à prova e experienciar. 

      Yoga e Ayurveda não falam de regras mas sim da presença. Estar presente, atento àquilo que acontece com o corpo e a mente.

      Aos poucos, vais-te sintonizar com um ritmo natural em vez de seguir apenas desejos e aversões de forma automática, romper padrões de comportamento instalados por anos. E através da observação, descobrir que entrar nessa dança é mais fácil do que aprender salsa, talvez menos divertido mas altamente compensador e um desafio constante, uma dança que não tem perfeição ou fim, um exercício de aceitação da inquestionável impermanência da Vida.

      Lara Lima
      Fundadora do método BMQ, formadora da AMAYUR
      Formadora reconhecida pela YOGA ALLIANCE
      Terapeuta Ayurveda Sénior
      Professora Sénior de Yoga

      PALAVRAS SENTIDAS – Toda a colheita é troca e emoção

      By | PALAVRAS SENTIDAS

      Toda a colheita é um mar sem fim.
      Um pé nascido da areia.
      Pedaços de mim.
      Que toda a aurora pulsa e encandeia.

      Todo o cedo pressente
      o ondular do tempo a florir.
      A vocação de ser presente
      da tarde passada a rir.

      O regresso à chávena de café
      presa na mesa da praça a ver-me
      no infindo todo que toda a gente é.
      Diante da vida ei-de, por vezes, conhecer-me.

      Solúvel é o instinto do vento
      a lavar o tapete debaixo da inquietação
      tingida de voz e talento.
      Toda a colheita é troca e emoção.

      Cláudia Afonso
      Terapeuta Ayurveda na nossa Escola. Com uma entrega e dedicação enormes à Lara enquanto sua professora e ao BmQ. Uma especialista em ‘cozinhar’ óleos medicados.
      Um ser com uma enorme sensibilidade para as artes da dança com o corpo e com as palavras. A Cláudia presenteia-nos com palavras soltas numa dança poética que partem de um tema no âmbito da proposta para o nosso dia-a-dia desta medicina milenar – Ayurveda, a ciência da Vida!
      EnglishPortugueseSpanish